Escola para Superdotados

Pessoal,

Compartilho com vocês minha experiência da visita ao Instituto Lecca, que atende crianças das escolas públicas municipais do Rio.

O público alvo são crianças e adolescentes superdotados, de comunidades economicamente carentes. Dos testes realizados, 1% é selecionado para ser trabalhado pelo Instituto no contraturno escolar.

Após selecionados, os alunos são preparados para concursos, oferecendo também oportunidades para o desenvolvimento dos pensamentos crítico e criativo. Isto significa desenvolver pessoas capazes de criar um Brasil melhor.

Nos últimos quatro anos, por exemplo, os primeiros lugares do Pedro II são desses alunos abordados.

Durante o trabalho, são realizadas atividades extracurriculares para o seu desenvolvimento cognitivo, cultural e socioemocional que vão além do conteúdo oferecido nas escolas.

Segundo a professora Maria Clara Sodré, diretora do Instituto, “o jovem superdotado é muitas vezes expulso do sistema educacional pelo tédio ou por opor-se aos professores. Ao sair do sistema, por ter capacidade muito acima da de seus pares, ele é facilmente seduzido pelo desafio da vida na marginalidade”.

Quatro premissas baseiam o trabalho:
1) Superdotados têm capacidade para aprender mais conteúdos curriculares e extracurriculares e em menos tempo do que seus pares em idade;
2) Superdotados apresentam grande curiosidade que permite que se envolvam profundamente com questões de interesse não só do seu dia a dia, mas também com questões universais.
3) A incidência de superdotação está distribuída por toda a população, independente dos níveis econômico, social ou cultural, especialmente quando se trata de crianças pequenas.
4) A não estimulação da superdotação leva a uma diminuição da capacidade intelectual.

Desde 2007, 14.898 foram testados e 132 selecionados. Neste ano de 2012, 48 alunos (em dois turnos de 24 cada) frequentam o programa. Se pensarmos que somente este ano de 2012 há 680 mil crianças na Rede, podemos ver que a atuação neste sentido apenas arranhou a superfície do caso. Não seria o caso de se pensar em uma política pública específica?

Enfim, numa cidade em que ainda lutamos (com avanços, graças a Deus!) para recuperar erros do passado e da aprovação automática, e realfabetizar crianças e jovens que mal sabem calcular, fora centenas de outras prioridades… Podemos deixar de focar também essa população?

Abraços,
Paulo Messina

5 pensamentos sobre “Escola para Superdotados

  1. Adriana F. de Carvalho quinta-feira, 21 junho 2012, 1:15 PM às 1:15 PM

    Infelizmente vereador, atitudes destas não são divulgadas devidamente para as escolas e nem valorizadas. É realmente uma pena, pois nossas crianças acabam não desenvolvendo todo seu potencial por falta de condições e estímulos. Uma política pública específica se faz extremamente necessária!

  2. kart quinta-feira, 21 junho 2012, 4:41 PM às 4:41 PM

    gostaria de informção de onde fazer o teste,acho que a escola não tem essa informação pois nunca foi passada aos pais de alunos.

  3. paulohpontes sexta-feira, 22 junho 2012, 10:17 AM às 10:17 AM

    Nunca ouvi falar de tal instituição nem de outras do tipo, nem como aluno nem como pai de aluno.
    Como e quando é feita a seleção para esta instituição?

  4. maria Fernanda Vernes de andrade segunda-feira, 25 junho 2012, 9:23 AM às 9:23 AM

    Acho que tem que se fazer o teste sim , Existem crianças que, por serem superdotadas, acabam sendo rotuladas de indisciplinadas ou agitadas por estarem “atrapalhando” a aula por se sentirem entediadas ou obrigadas a assistir um conteudo que já sabem ,.Para esse grupo proponho o teste , pois podem passar de série ou para um colegio mais avançado como o Militar e o Aplicação , por exemplo e ter seus conhecimentos valorizados independente da forma que foram aprendidos

  5. Cristiane segunda-feira, 2 julho 2012, 10:29 PM às 10:29 PM

    Alguem sabe informar como fazer testes de habilidades para alunos de escolas particulares no Rio de Janeiro?

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: