Rio+20: E Agora?

Pessoal,

“Tratem bem a Terra: nós não a herdamos de nossos pais. Apenas estamos com ela emprestada de nossos filhos”. A frase é atribuída a indígenas e também a Henry Brown, mas o que importa é sua essência: se é nossa, fazemos o que queremos. Se é de outros, acima de tudo, de nossos filhos, vamos cuidar melhor dela.

Chega ao fim o encontro Rio+20, com uma grande polêmica: foi ou não bom?

Antes disso, e por razão de algumas afirmações estapafúrdias que rolaram na imprensa nas últimas semanas, sinto-me obrigado a estabelecer uma importante premissa: O Efeito Estufa é bom para a humanidade. Sem ele, não haveria vida na Terra, uma vez que o clima seria 30ºC mais frio. Os gases que impedem que o calor do Sol volte ao espaço são os chamados gases de efeito estufa, e sua concentração na atmosfera é muito baixa, na medida suficiente para o equilíbrio. Mas o homem vem cada vez mais emitindo esses gases, aumentando suas concentrações e, é claro, o próprio efeito estufa. Esse é que é o problema. Aí vemos uma entrevista, por exemplo, no Jô Soares, em que um profissional da USP, supostamente Climatólogo, que diz que o “aquecimento global é conversa para boi dormir”. Ora, lhe rendeu matéria no Jô Soares, fez seu papelzinho polêmico, e pelos 15 minutos de fama tem gente que faz de tudo, até desmentir o lógico: aumenta-se a concentração de gases que causam o efeito estufa… aumenta-se o efeito. Negar o aquecimento global é fazer o mesmo que os cientistas nos anos 70 quando negavam que o cigarro causava câncer.

Enfim, vamos à Rio+20. De fato o documento foi modesto, genérico, quase vazio. Alvo de muitas críticas de delegações internacionais, em especial da Europa, o documento acabou a Conferência com menos da metade das páginas que começou. Deixe-me usar argumentos melhores que o clichê “…Mas foi o possível de ser alcançado no contexto da crise internacional”. A verdadeira vitória está em dois pontos:

(1) As cidades mostraram grandes avanços na consciência ambiental. Os prefeitos da 40 cidades mais ricas do mundo fizeram um acordo para reduzir suas emissões. É como diz o ditado chinês: “Antes de mudar o mundo, dê três voltas dentro de sua própria casa”. E nesse ponto podemos dizer que Rio+20 pode até ter deixado a desejar no atacado, mas mandou bem no varejo.

(2) A mobilização popular que se viu na Cúpula dos Povo foi maravilhosa. Um avanço impressionante de uma época (1992) até hoje em que se vê claramente que as pessoas estão mais ligadas nas questões climáticas.

Bem, somente com o documento – que vou pedir licença para chamar de “Carta de Intenções” – , eu poderia dizer que fiquei decepcionado. Mas, ao somar os dois itens acima, não tenho como dizer isso: A Rio+20 teve seu sucesso assegurado no micro cosmos de onde realmente as coisas acontecem: nas cidades e em nossos corações.

E vamos em frente, pois há muito o que fazer antes de devolvermos a Terra a nossos filhos! 😉

Abraços,
Paulo Messina

Marcado:

2 pensamentos sobre “Rio+20: E Agora?

  1. olga martins wehb segunda-feira, 25 junho 2012, 6:51 PM às 6:51 PM

    Paulo Messina,

    Com certeza , vamos tratar bem a terra. Tudo o que a gente gosta a gente cuida!

    Importante focar a redução das emissões de gases, mitigação, eficiência energética dos processos produtivos, geração de energia através de novas fontes renováveis e transformações nos modos de consumo e comportamento.

    Se a nossa casa conservamos e fazemos a manutenção, com certeza amanhã teremos menos prejuízos.

    Abraços,
    Olga Martins Wehb

  2. Olívia Lima segunda-feira, 25 junho 2012, 8:57 PM às 8:57 PM

    É isso aí Messina!!! Estou contigo e não abro… As mudanças devem começar primeiro em nossas casas. Parabéns111

Os comentários estão desativados.

%d blogueiros gostam disto: